Resenha :: Fúria Vermelha (Trilogia Red Rising #1)

Postado por | 7:19 PM Deixe seu Comentário



“Eu poderia ter vivido em paz. Mas meus inimigos me trouxeram a guerra.”


O que eu posso dizer sobre a melhor distopia que eu já li na vida? Sim, eu posso estar exagerando (discordo), posso estar cega pelo amor e obsessão que tenho por essa trilogia (ok culpada, mas isso não diz nada). Bom, poderia dizer que esse livro me deixou sem palavras, mas como estou escrevendo algumas, então não faria sentido, mas que livro INCRÍVEL!!!  (Pausa para respirar). 
Essa é a segunda vez que leio o livro, e a sensação de empolgação é a mesma do início ao fim, sério... Mas vamos aos porquês disso tudo.

“- A morte não é vazia como você afirma ser. Vazia é a vida sem liberdade, Darrow. Vazio é viver acorrentado pelo medo, pelo medo das perdas, pelo medo da morte. Digo que a gente precisa romper essas correntes. Rompa as correntes do medo e você estará rompendo as correntes que prendem a gente aos Ouros, à Sociedade.”

Fúria Vermelha tem como ambiente Marte, e é uma sociedade definida por cores, onde a cor mais poderosa são os Ouros e a mais baixa os Vermelhos. Nosso protagonista, Darrow, é um BaixoVermelho, pois ele vive nos subterrâneos de Marte (AltosVermelhos são os que vivem na superfície) escavando para a extração de hélio- 3. Eles acreditam que são os pioneiros de Marte, que estão ajudando na terratransformação do planeta, tornando o ar mais respirável, o solo mais habitável, para as outras cores que estão na Terra, poderem, finalmente, irem para Marte, pois acreditam que a Terra está devastada e as que outras cores estão sofrendo nela.  Depois de uma grande perda, Darrow é recrutado pelos Filhos de Ares (Rebeldes), e descobre que sempre viveu uma mentira, que o planeta já é habitado por outras cores, existe uma cidade, uma sociedade na superfície. 

“Essa não é a pessoa que eu sou, a pessoa que eu quero ser. Quero ser pai, marido, dançarino. Deixe-me cavar a terra. Deixe-me cantar as canções do meu povo e saltar e rodopiar e correr ao longo das paredes. Eu jamais cantaria a canção proibida. Eu trabalharia. Eu baixaria a cabeça. Deixe-me limpar a sujeira das minhas mãos em vez de sangue. Quero apenas viver com minha família. Nós éramos felizes juntos. A liberdade tem um preço muito alto.”

Daí em diante as coisas só melhoram, tem tantas reviravoltas no livro que se contar uma coisinha, vai ser spoiler. Esse começo para alguns é um pouco lento (o que eu discordo, mas cada um é cada um), e acredito que o motivo disso seja que o autor está nos mostrando uma nova sociedade, ele dá toda uma ambientação, com termos novos que no decorrer do livro vamos nos acostumando. O que é mais legal em Fúria Vermelha é a mistura da sociedade futurística com elementos medievais, que acompanhamos principalmente quando chegamos na terceira parte do livro, a parte do Instituto onde Darrow se infiltra, que é uma das melhores partes para mim, além de se jogar um pouco de mitologia Romana e Grega na história através principalmente no nome das Casas do instituto onde são separados os alunos (Marte, Minerva, Apolo e etc). Mas Pierce Brown já revelou também que se inspirou na mitologia para fazer toda a hierarquia dessa sociedade, como os Ouros sendo considerados "deuses", por exemplo. (Como estou com vontade de dar spoiler agora rs). Algumas pessoas reclamam do excesso de palavrão (revirando os olhos), que eu particularmente não acho nada demais. O que é legal é que alguns desses palavrões fazem parte da gíria das cores e que as marcam (tipo só um Vermelho fala "Porra" rs).

“Não se trata apenas de algum sonho, Darrow. Vivo pelo sonho de meus filhos poderem nascer livres. De eles poderem ser o que quiserem. De eles poderem ser donos da terra que o pai lhes deu.”

Bom o melhor desse livro, de verdade, é Darrow, ele é um personagem diferente do que eu estava acostumada, ele sabe de sua importância para sua missão, sabe o que deve ser feito, por quem está lutando, que vive por mais, então ele não vai ser exatamente um mocinho que se entrega ao inimigo para salvar os outros, ele faz o necessário, se tiver que salvar, não vai ser se entregando, mas acabando com os planos dos inimigos, e isso tem muito nesse livro, ele é cheio de estratégias de batalha e conquista, no qual Darrow se destaca não apenas por sua força e inteligência (que são muitas), mas por ter nascido Vermelho ele pensa de forma diferente dos Ouros. A narrativa é toda do ponto de vista dele, mas nem por isso os personagens secundários ficam apagados. Mustang, Cassius e muitos outros são descritos e aparecem de uma forma sem igual, mas o grande destaque é Sevro, ele é o melhor e mais diferente personagem secundário que já vi em livros, sua personalidade... bom, só posso descrever como incomparável, além de dar um bom alivio cômico para a história, que tem no geral boas tiradas, não é só sangue e morte rs, os diálogos são muito bons.

“Vocês não me seguem porque eu sou mais forte. Pax é o mais forte. Vocês não me seguem porque eu sou o mais inteligente. Mustang é a mais inteligente. Vocês me seguem porque não sabem pra onde estão indo. Eu sei.”

Não sei mais o que posso dizer para convencer a lerem esse livro rs. Bom já disse que amo esse livro? Acho que sim rs. Ele é dividido em quatro momentos (todos incríveis), que deixam você tenso pelo o que vai acontecer. Uma distopia arrebatadora, com um pouco de crítica à sociedade atual (algumas coisas até mais sutis, mas se você parar para pensar é bem genial) e um final que nos faz correr para ler Filho Dourado, segundo livro da trilogia, que já garanto, consegue ser melhor ainda, e Morning Star que será lançado agora em junho, pela Globo Alt (muito ansiosa).
E mais uma coisa, eu sou apaixonada pelas capas dessa trilogia, uma pena apenas é que as letras da capa amarelam muito rápido, mas são lindas. Então leiam Fúria Vermelha e depois, como diria Pierce Brown (o autor gato dessa trilogia): 
“Você vai gostar pra cacete dos próximos dois livros.”

Nota :: 

Informações Técnicas do livro

Fúria Vermelha
Trilogia Red Rising, #1
Ano: 2014
Páginas: 468
Editora: Globo Livros
Sinopse (Skoob):
Fúria Vermelha é o primeiro volume da trilogia Red Rising, e revive o romance de ficção científica que critica com inteligência a sociedade atual. Em um futuro não tão distante, o homem já colonizou Marte e vive no planeta em uma sociedade definida por castas. Darrow é um dos jovens que vivem na base dessa pirâmide social, escavando túneis subterrâneos a mando do governo, sem ver a luz do sol. Até o dia que percebe que o mundo em que vive é uma mentira, e decide desvendar o que há por trás daquele sistema opressor. Tomado pela vingança e com a ajuda de rebeldes, Darrow vai para a superfície e se infiltra para descobrir a verdade. 'Fúria Vermelha' será adaptado para o cinema por Marc Forster, diretor de Guerra mundial Z.

LISTA DE CLASSES
  • Ouros: Membros mais nobres da sociedade. Os mais fortes e belos, orgulhosos e vaidosos. Controlam toda a sociedade.
  • Pratas: Contabilizam e manipulam a moeda e a logística.
  • Brancos: Controlam a justiça e a filosofia da sociedade. São os pensadores.
  • Cobres: Também chamados de Centavos, administram a burocracia e o Comitê de Qualidade.
  • Azuis: São os viajantes e exploradores do universo.
  • Amarelos: Estudam os medicamentos e as ciências.
  • Verdes: Desenvolvem a tecnologia.
  • Violetas: Os criativos. Considerados artistas da sociedade.
  • Laranjas: Os engenheiros mecânicos. São os mais prestigiados da classe dos trabalhadores.
  • Cinzas: Também chamados de Latões, garantem a ordem e a hierarquia nas sociedades.
  • Marrons: Serviçais das tarefas cotidianas.
  • Obsidianos: Também chamados de Corvos. Elite militar da sociedade, garantem a proteção dos Dourados.
  • Rosas: São empregados e proporcionadores de prazer da alta sociedade.
  • Vermelhos: As formigas operárias da sociedade. A capacidade física e mental dos integrantes dessa cor é imensurável.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Palavra do Leitor:

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!