Resenha :: Por Lugares Incríveis

Postado por | 10:34 AM


 Antes de qualquer coisa, preciso dar um conselho a você ser que está lendo isso: PARE DE PERDER TEMPO LENDO ESSA RESENHA E VÁ LER O LIVRO LOGO! AGORA!!!
“- Agora?

Não dizem que não existe hora melhor do que agora? Você melhor do que ninguém deveria saber que só o agora é garantido.”


Ignorou o meu conselho, né?  Isso é uma pena porque Por lugares incríveis é um livro incrível... Nooooossa! Que criatividade! #SQN. Eu sei, criatividade zero, mas tenha um pouco de piedade da pessoa aqui, é difícil achar as palavras certas para um livro tão bom, tão belo, tão amável, tão especial, tão adorável, tão digno de ser lido e aplaudido... Sinceramente, ele é tão bom que estou quase torcendo para ser abduzida para poder indica-lo para os ETs .

Mas o que faz Por lugares incríveis ser tão bom? Pensando bem, acho que tudo, a mistura de lições que ele “deixa” para levarmos para o resto da vida, a mistura de tudo de bom que esse livro tem o torna maravilhoso, começando pelos protagonistas, Violet Markey (Ultravioleta Markante) e Theodore Finch, que são incríveis.

Violet tinha, praticamente, uma vida (de adolescente) dos sonhos: era inteligente, divertida, popular; tinha uma família exemplar, uma irmã mais velha que também era sua melhor amiga, um namorado “perfeito” (há controvérsias) e um futuro (incrível) como estudante de escrita criativa na NYU. Ou seja, era tudo como manda o roteiro de vida dos sonhos e ela era... feliz .

Mas tudo muda com um acidente de carro, um acidente que termina com ela viva e sua irmã/melhor amiga morta. E como sobrevivente ela se sente triste, solitária e culpada. Culpada por estar viva; culpada até por rir, como se cada risada fosse uma traição à perda da sua irmã. E assim, ela não é mais a mesma Violet feliz, se torna uma Violet que tem medo da vida, que se afasta das pessoas, que se deixa consumir pela dor e que conta os dias para finalmente se formar e sair da cidade.
“Agora tudo o que vejo é uma garota morrendo de medo de viver. Vejo as pessoas darem um empurrãozinho de vez em quando, mas nunca forte o suficiente porque não querem contrariar a pobre Violet. Você precisa de um baita tranco, não de um empurrãozinho. Você precisa retomar as rédeas. Ou vai ficar em cima do parapeito que construiu pra si mesma pra sempre.”
Theodore Finch, ou apenas Finch, é um garoto bem singular, único, diferente, imprevisível, maravilhoso, adorável, apaixonante, amor da minha vida ... Ele é uma bagunça, porque, bom, a vida dele é uma bagunça. Sua família é composta por uma mãe apática que se sente perdida e nem sabe onde os filhos estão, por irmãs perdidas (não tanto quanto a mãe) e com os próprios problemas, e por um pai egoísta que o espancava e que, em vez de consertar a família que tinha e ser um bom pai, preferiu, simplesmente, trocar de família.

Finch é um adolescente que vive pesquisando sobre a melhor forma de cometer suicídio (meio mórbido né? ), que não tem uma boa reputação no colégio onde o chamam de “aberração” (alerta de bullying!) e que sofre com períodos de depressão, com períodos onde ele “apaga” e some do mapa (e que a família nem liga). Ele faz o que dá na telha e incorpora personagens diferentes (todos apaixonantes ): Finch anos 80 (que é vegetariano), Finch “fodão” (e Inglês), Finch largado (quase um mendigo)...
“Escuta, eu sou a aberração. Eu sou o aloprado. Eu sou o problemático. Eu me meto em brigas. Eu decepciono as pessoas. O que quer que faça, não deixe Finch bravo. Ah, lá vai ele de novo, em uma daquelas fases. Finch mal-humorado. Finch irritado. Finch imprevisível. Finch louco. Mas não sou um conjunto de sintomas. Não sou uma vítima de pais horríveis e de uma composição química mais horrível ainda. Não sou um problema. Não sou um diagnóstico. Não sou uma doença. Não sou uma coisa que precisa ser salva. Sou uma pessoa.”
Esses dois seres, que já sofreram muito na vida, se conhecem de um jeito nada previsível: no parapeito da torre do colégio, onde um salva o outro. Mas passam a conviver mais entre si (e a se apaixonar) por causa de um trabalho de Geografia que os faz conhecer o estado deles, Indiana, e assim visitam juntos diversos lugares não muito comuns, assim começam as “andanças”.

A narrativa é intercalada entre os dois protagonistas, abordando temas como bullying, luto, depressão, transtornos bipolares, suicídio, esperança e amor, com uma escrita emocionante, encantadora e cheia de verdades da autora Jennifer Niven. Essa mulher dá muitos tapas na cara dessa sociedade que vivemos, cheia de pessoas como o Finch, que precisam de ajuda, mas são ignoradas até pela própria família. Depressão e transtornos bipolares não são “frescuras”, não são tentativas de chamar a atenção, SÃO DOENÇAS que precisam de tratamento antes que seja tarde demais.
“E se a vida pudesse ser assim? Só as partes felizes, nada das horríveis, nem mesmo as minimamente desagradáveis. E se a gente pudesse simplesmente cortar o ruim e ficar só com o bom?”
Agora que já perdeu minutos preciosos lendo essa resenha, por favor, não perca mais tempo nenhum e vá ler Por Lugares Incríveis logo. Obrigada. 



Nota: 



Ficha Técnica
Por Lugares Incríveis

Ano: 2015 / Páginas: 336
Idioma: Português
Editora: Seguinte
Sinopse (Skoob)
Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial