Resenha :: Três Coisas Sobre Você

Postado por | 10:08 AM

“É possível ficar imune à esquisitice.”
Apelando para uma música sertaneja, preciso dizer que o que sinto por esse livro se resume em TRÊS palavras: AMOR, AMOR, AMOR, e mais nada. Sério, eu coração esse livro, porque, caraaaa, que livro mais amorzinho do cacetóvski! Está duvidando? Pois pense em um livro amorzinho. Pensou? Agora multiplica (Ok, chega de sertanejo ). 

“Sou melhor escrevendo do que falando pessoalmente. Talvez essa seja a minha chance de mostrar quem sou de verdade, diferente da otária esquisita em que me transformo quando estou perto de gente que me deixa nervosa.”

Três coisas sobre você é o segundo livro que leio da autora Julie Buxbaum (amei o primeiro que li, mas esse entrou no meu coração de tão fofo e amorzinho que é), é o terceiro livro dela publicado aqui no Brasil, e, incrivelmente, é o seu primeiro Jovem Adulto (YA). E sinceramente, nem parece que ela não escrevia YA antes, porque é muito bom! É um livro viciante, com uma escrita contagiante, que flui que é uma beleza. É um livro incrível, fofo, leve, engraçado, irônico, apaixonante e, bom, muito amorzinho (essa palavra resume o livro para mim ). 
“Uma rosa é uma rosa é uma rosa. Jessie é Jessie é Jessie.” 

Essa obra é protagonizada e narrada pela adolescente de dezesseis anos, Jessie (pausa para dar um efeito) Holmes, que é surpreendida quando seu pai chega em casa depois de uma viagem e anuncia que se casou novamente com uma mulher que conheceu em um grupo de apoio na internet. E como se isso já não fosse novidade o suficiente, como sua nova e rica madrasta, Rachel, mora na Califórnia, muito longe de Chicago, onde a Jessie nasceu e cresceu, adivinhe quem tem que se mudar para um lugar desconhecido, longe de seus amigos e de tudo o mais? Isso mesmo, a pobre Jessie. E essa mudança toda já seria ruim, mas para a nossa protagonista é pior, porque há cerca de dois anos, ela perdeu a mãe para o câncer. 
“Uma das piores coisas com relação à morte é lembrar de todas as perguntas que a gente não fez, de todas as vezes em que, idiotamente, a gente presumiu que teria todo o tempo do mundo. E isso também: como todo aquele tempo não parece tempo nenhum. O que resta parece algo fabricado. Os superexpostos fantasmas de lembranças.”

Pare para imaginar: você é uma filha única (que sempre é mais protegida, mais próxima dos pais, por eles serem sua única família que está sempre por perto), e perde a mãe, que é como perder um dos seus pilares de sustentação, e o mundo acaba parecendo mais opressivo, os dias parecem mais longos e infelizes... e quando você estabelece uma espécie de rotina, apesar da tristeza e da saudade da sua mãe, seu pai se casa do nada, te faz mudar para o outro lado do país, te dando uma nova madrasta (não como a da Cinderela, ok?) e um novo irmão de consideração que tem a mesma idade que você, e se concentrando tanto na nova mulher e em procurar um novo emprego que acaba não ligando muito para os problemas que você possa ter... e lá se vai a rotina de novo. 
“Quando a pior coisa que você poderia imaginar acontece, você acha que todas as outras coisas antes inconcebivelmente ruins também podem acontecer.”

A nova madrasta, Rachel, é bem rica e tem uma casa enorme parecida com aquelas de revista, bem diferente da antiga casa da Senhorita Holmes, que não consegue pensar nessa nova casa como seu lar. A Rachel, o Bill (pai da Jessie) e o Theo são meio que julgados injustamente no início, mas enquanto as páginas vão indo em frente podemos ir aos poucos entendendo cada lado e o quanto é complicado para cada um, já que todos nós temos os nossos problemas e muitas vezes eles parecem tão grandes que nem conseguimos enxergar além deles e ajudar os outros nos problemas deles quando precisam. Mas antes de entendermos esses lados, para complicar mais um pouco, a Jessie é matriculada no colégio Wood Valley (WV), que é um colégio cheio de jovens ricos que se parecem com Barbies e Kens, ou seja, bem diferentes da nossa protagonista que acaba sofrendo bullying de uma certa “vaca” (desculpe a palavra ). 
“Já sentiu como se a sua vida fosse um longo pesadelo e você só ficasse esperando acordar, mas não acordasse nunca?”

E eis que nesse colégio, onde a Jessie sofre sem poder chamar nenhum ser de amigo, surge uma luz, ou melhor, um guia espiritual que ajuda a estudante Holmes. Mas esse guia espiritual aparece sob o “manto do anonimato”, sob a forma de e-mails, se nomeando “Alguém Ninguém” (AN), que não quer revelar sua verdadeira identidade, mas revela que também estuda em WV. Será uma pegadinha? Será um admirador secreto? Um príncipe em um cavalo branco? Ou apenas alguém querendo realmente ajudar? Bom, a última pergunta é a correta (por mais que a de admirador secreto e príncipe se encaixem um pouco também). 
“eu fico com vontade de saber o que se passa nessa sua cabeça. vou ser sincero: não costumo me interessar pelo que há na cabeça dos outros. a minha já dá trabalho suficiente.”

O AN realmente ajuda a Jessie com os seus conselhos e dicas e a situação dela melhora muito. Ela consegue:
► Novas amigas, a Dri e a Agnes;
► Manter a amizade com sua melhor amiga Scar (amiga maravilhosa essa), mesmo com a distância;
► Um emprego na livraria “Atenção Lombadas!” (amo esse nome);
► Conviver melhor com seu irmão de consideração, Theo, que é todo cheio das suas fabulosidades e que no começo não trata a Jessie e o pai dela nada bem, mas melhora e enche o livro com seu brilho e purpurina; e
► Um amigo (o AN mesmo) com quem troca e-mails todos os dias sobre tuuudo, coisas sérias, divagações meio idiotas e engraçadas, contando três coisas um ao outro (vem disso o nome do livro), conseguindo ter duas conversas ao mesmo tempo, uma no e-mail normal e outra no “assunto/cabeçalho” dele... E mesmo assim, a Jessie não consegue descobrir quem é o AN. 
            “ISTO é mais importante do que todo o resto. isto é real. ainda que todo o resto pareça não ser na maior parte do tempo.”

E quem o AN? Não posso dizer o nome, mas ele é um personagem incrível, que entende a Jessie, por também ter perdido alguém e se sentir solitário. Ele é engraçado, divertido, meio doidinho e, claro, apaixonante, muito apaixonante, eu realmente coração AN. E durante o decorrer do livro a autora dá pistas de que o AN pode ser um entre três caras. Sinceramente, mesmo com pistas que a autora joga para a gente, a identidade do AN não é um mistério muito misterioso. Meu coração de leitora, cheio de amores irreais, soube quem era o AN desde a primeira vez que ele apareceu, ele pessoa com nome, sobrenome e beleza, a pessoa fora da tela. E se, no final do livro, a autora escrevesse que o AN era outro ser, eu teria arrancado as últimas páginas e reescrito o final com o personagem que eu amo como o Alguém Ninguém. Depois disso, eu encheria uma mala de pedras, descobriria o endereço da autora, pegaria um avião  e, quando chegasse na frente da casa dela, usaria as pedras para quebrar todas as janelas em pedacinhos, como o meu coração  teria ficado se o AN não fosse o... Relaxa! Vou falar quem é não, você vai ter que ler para descobrir e ficar com sorrisinho bobo no rosto que Deus te deu como eu . 
“Imagino, ou espero, que um dia eu seja descoberta – que eu seja vista de verdade – não como uma aliada, uma colega de estudos ou como parte da mobília, mas como alguém de quem gostem, talvez até amem.”

Três Coisas Sobre Você é um ensinamento sobre aceitar mudanças inesperadas, sobre manter memórias dentro de si sem deixar de viver por causa delas, sobre a importância de amigos que entram na nossa vida de um jeito único, mas que fazem a diferença para melhor, ajudando a nos manter de pé, nos apoiando quando precisamos de um ombro amigo; e principalmente, é sobre como lidar com recomeços que parecem que tiram sua felicidade, mas que, na verdade, te ajudam a melhorar, te ensinam, te evoluem, te ajudam a “grandecer”. Enfim, está esperando o que para começar a ler esse livro e se apaixonar por ele também? Vai logo, vai! 
“Os dias perfeitos são para pessoas com sonhos pequenos, possíveis de serem realizados. Ou talvez para todos nós eles só aconteçam em retrospecto: só são perfeitos agora porque contêm alguma coisa irrevogável e irrecuperavelmente perdida.”


Nota: 

Ficha Técnica
Três Coisas Sobre Você
E se a pessoa de quem você mais precisa for alguém que você nem conhece?
Ano: 2016
Páginas: 288 
Idioma: Português
Editora: Arqueiro
Sinopse (Skoob)
Setecentos e trinta e três dias depois da morte da minha mãe, 45 dias após o meu pai fugir para se encontrar com uma estranha que ele conheceu pela internet, 30 dias depois de a gente se mudar para a Califórnia e apenas sete dias após começar o primeiro ano do ensino médio numa escola nova onde conheço aproximadamente ninguém, chega um e-mail. Deveria ser no mínimo esquisito, uma mensagem anônima aparecer do nada na minha caixa de entrada, assinada com o bizarro nome Alguém Ninguém. Só que nos últimos tempos a minha vida tem estado tão irreconhecível que nada mais parece chocante.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial