Meta de Leitura — 2017

Postado por | 10:47 AM 2Comentários



Oiiii serzinho lindo . Feliz Ano Novo!!!!  (Ainda estamos em janeiro ,então finja que não estou atrasada, o que vale é a intenção, me deixe)
Quase todo leitor quando chega o início de um novo ano faz uma meta de leitura com livros que espera conseguir ler durante os doze meses que o esperam. E bom, aqui no blog cada colunista vai fazer uma lista para a meta com 12 livros. É claro que se dependesse de mim a minha lista completa aqui teria uns 100 livros porque sou exagerada, mas vamos fingir que eu tenho vida e colocar como obrigatórios aqui só 12 mesmo, né? Parando para pensar o 12 é um número importante, pense bem: 12 meses; Jesus escolheu 12 apóstolos; foram 12 cavaleiros da távola redonda; na mitologia grega tem 12 deuses olimpianos; foram 12 trabalhos de Hércules...  Estou viajando aqui, eu sei, vou parar. Enfim, os 12 livros a seguir eu vou fazer de tudo para conseguir ler, palavra de escoteira (não que eu seja escoteira, mas deu para entender). Então vamos lá.



A Colônia (Ezekiel Boone)


Quero ler esse livro porque é sobre aranhas e eu morro de medo delas. Todo pesadelo que você imaginar com aranhas eu possivelmente já tive. Eu já fui devorada por uma aranha gigante. Uma aranha já entrou pelo meu ouvido e fez um ninho no meu cérebro, e quando as aranhas “nasceram” saíram de mim por todas as partes possíveis: nariz, ouvido, olhos, boca... Já vi o mundo ser dominado por aranhas. Já fui abduzida e fui parar em uma espécie de “Planeta das Aranhas” (parecido com o “Planeta dos Macacos” só que bem pior).
Enfim, por que quero ler algo sobre algo que me dá pesadelos? Porque eu sou louca, ué!  Quero sentir medo e livros com espíritos, demônios... não me dão medo, então vou apelar, porque quero me testar e viver perigosamente esse ano. É, acho que pirei de vez. 
P. S. De acordo com a sinopse “o mundo está à beira de um desastre apocalíptico”, e tenho que dizer que uma parte de mim sempre desconfiou que as aranhas ajudariam a acabar com a nossa civilização, elas são seres das trevas. 
P. P. S. Mesmo tendo uma aranha bem no meio, acho a capa desse livro linda, amo rosa.



Alucinadamente feliz (Jenny Lawson)


Eu quero ler esse livro porque eu tenho que ler esse livro, na verdade, querer ou não querer não é relevante. Esse livro é uma biografia (autobiografia, na verdade), e quase nunca leio livros assim, espero gostar porque conheço certa pessoa que quase nunca gosta de nada e gostou desse livro, então deve ser bom, né?  Espero que seja. Pelo menos é sobre uma mulher com transtornos mentais e gosto de livros com isso (acho que por eu não ser a mais normal das criaturas). E o fato desse livro abordar distúrbios mentais com senso de humor, só ajuda, porque apesar de tudo a vida não precisa ser triste.




Canção do Cuco (Frances Hardinge)


Esse livro também é para me ajudar a viver perigosamente esse ano. Ele é de terror e dizem que é sombrio, perturbador e cheio de coisas estranhas. Parece legal e não tem aranhas na sinopse, então acho que não vou morrer de medo, mas se ter um certo suspense e mistério, já acho que vale para me testar e me ajudar a viver no perigo .




Enquanto Bela Dormia (Elizabeth Blackwell)


Pausa para contemplarmos a capa desse livro . Ela é muito linda, né? Pelo menos é o que eu acho. Sério, esse livro é um dos que eu compraria só pela capa, mas quero o ler por mais do que isso. Acho que eu já falei aqui no blog, mas saiba que amo contos de fadas e as releituras deles. Então esse é o principal motivo de eu querer ler esse livro, que é uma releitura de A Bela Adormecida. De acordo com a sinopse ele é bem fiel ao clássico ao mesmo que tem elementos “contemporâneos”, e além disso dizem que ele é bem próximo da “realidade medieval”, então estou super curiosa para saber como ficou, espero gostar.

P. S. Eu tentei ler ele ano passado, mas foi numa época meio complicada e só li um parágrafo e parei, mas esse ano eu vou ler, prometo .



Grandes esperanças (Charles Dickens)


Sabe eu amo Charles Dickens, mas eu não mereço o amar porque nunca li um livro dele. Como posso o amar então? Simples, já li tantos trechos e citações de livros dele que acho que se juntasse tudo daria um livro. Mas nesse ano vou me dar motivos reais para amar esse autor e ler esse livro. Vou tentar ler mais de um dele, mas vou priorizar apenas esse porque o nome dele representa o que eu tenho para esse ano: Grandes Esperanças. Grandes Esperanças de que seja um ano muito melhor que o ano passado. Grandes Esperanças de que eu seja uma pessoa melhor. Grandes Esperanças de ficar rica ...



O Amor nos Tempos do Ouro (Marina Carvalho)


Eu queria ter lido esse livro ano passado, mas querer não é poder, a lista de livros a serem lidos era grande, então não deu tempo . Eu gosto da escrita da Marina (já li cinco livros dela, eu acho), ouvi e li muitas opiniões positivas, e até que gosto de romance histórico, e pelo que sei, esse livro aborda a história do Brasil, os bandeirantes, a escravidão, os costumes e tradições do século XVIII... Então não custa nada dar uma chance, né?  Espero que realmente seja bom.
P. S. Me chame de implicante, mas não consigo gostar da capa desse livro.



O Dia da Morte de Denton Little (Lance Rubin)


Eu descobri que esse livro existia há pouco tempo e desde então estou com uma vontade absurda de o ler. Sabe eu tenho uma certa queda por livros que falam de morte. Sou estranha, eu sei. Mas é que as pessoas evitam tanto falar disso na vida real como se fosse atrair a morte delas que eu sempre gosto de ler livros assim para saber diferentes opiniões, ou sei lá, sobre algo que vai acontecer com todos nós, seja hoje ou daqui 50 anos. E esse livro, especificamente, me atraiu pelo fato de já pela sinopse eu ficar pensando: “Se eu soubesse que dia iria morrer, o que eu faria o meu último dia de vida?”. Difícil saber . Enfim, espero que minhas expectativas sejam superadas.



O Livro de Memórias (Lara Avery)


Quero ler esse livro porque gostei da sinopse (me julgue, mas gosto de ler livros que falam de doenças ), da capa (tão simples e tão linda) e de algumas citações que amei. Fico imaginando como seria ter uma doença que apaga a nossa memória, porque nossas memórias são parte da gente, nos fazem sermos únicos, elas contam a nossa história. Perdê-las devem nos fazer sermos desconhecidos para nós mesmos, isso parece triste. Enfim, espero amar esse livro, ele parece ter potencial.



O Último Adeus (Cynthia Hand)


Adivinha! Esse livro também é sobre morte!  Mais especificamente é sobre o que vem depois dela. Pelo que sei é escrito em forma de uma espécie de diário de uma guria cujo irmão mais novo cometeu suicídio. Ela começou a escrever no diário porque o seu terapeuta pediu para ela tentar expressar seus sentimentos (que não devem ser sentimentos felizes ).
Não sei como é perder um irmão assim (no caso, com ele se suicidando), e nunca tive irmãos, mas já tive um primo, que era uma espécie de irmão mais velho (que morava na minha casa), que quando morreu me deixou bem perdida. Você pensa em tudo o que deixou de ter dizer e fazer para ele, em tudo que não devia ter dito e feito para ele. Você se sente mal porque achou que sempre teria mais tempo com ele, que sempre teria mais amanhãs, mas você não manda no futuro e um dia te ligam dando uma notícia que mesmo depois de anos é triste de aceitar. Você finge que ele não morreu e que só não o vê todos os dias porque ele se mudou para uma cidade distante que não tem sinal de celular e internet. Você sente uma saudade dos infernos e se sente culpada toda vez que se sente minimamente feliz...
Enfim, o que a protagonista desse livro deve sentir e passar deve ser ainda pior do que eu posso imaginar, mas já tenho quase certeza que vou chorar e que vou o amar. Espero estar certa.



Proibido (Tabitha Suzuma)
Como uma coisa tão errada pode parecer tão certa?


Uma amiga minha leu esse livro e disse que acha que ele não é para mim e eu meio que concordo com ela. Motivo? Ele é sobre incesto. Dois irmãos (um garoto e uma garota) tem uma vida sofrida e criam seus irmãos mais novos como se eles fossem o pai e a mãe deles, enquanto a mãe de verdade se embebeda por aí. E eles se apoiam um no outro, e pelo que sei a relação deles é algo além de uma relação entre irmãos. E bom, incesto é errado. Aprendemos isso desde criança. Aprendemos que é errado. Aprendemos a julgar. E por isso eu não acho que esse é um livro para mim. Maaaas eu quero abrir um pouco a mente, não que eu vá cometer incesto e nem apoiar pessoas a cometerem; eu apenas quero entender os motivos, o que os levou a isso, os porquês. Enfim, espero não o julgar e gostar do livro por mais que isso seja difícil .



Senhor das moscas (William Golding)


Esse livro foi citado em alguns livros que li e é uma espécie de clássico lá fora. Pelo que sei um avião cai em uma ilha deserta e alguns meninos sobrevivem e após algum tempo na ilha eles deixam de ser civilizados e partem para a violência em busca de poder, como se viver fora da vida em sociedade despertasse o pior de cada um, a escuridão que cada pessoa tem. Coloque ele na sua meta também, a leitura dele parece valer super a pena .





Suzy e as águas-vivas (Ali Benjamin)


Pelo que sei esse livro fala de imaginação e morte (sim, mais um sobre morte ), mas nesse livro, pelo que entendi, é mais sobre como lidar com a morte de quem gostamos muito, sobre a busca de explicações para algo que não tem como voltar atrás, sobre como sempre podemos encontrar amor e esperança e fazer grandes descobertas para a nossa vida. Esse livro parece ser bem sensível e leve para um assunto assim e a capa é linda, espero gostar.


Então é isso. Essa é a minha meta de leitura desse ano. Bom, pelo menos uma parte dela. Realmente espero conseguir ler e gostar de todos. Faça a sua meta de leitura também e tente ler algo diferente esse ano, você pode se surpreender e começar a gostar de gêneros literários diferentes. Até! 

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

  1. Olá!! Adorei seu post! Vim por recomendação do grupo TDS. https://saotantas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!