Resenha :: Heróis e Vilões

Postado por | 10:48 AM Deixe seu Comentário


Seis personagens considerados como ícones para a história, não somente por sua bravura, mas por seu caráter como um líder, mas também as suas habilidades quando eram postas em campo de batalha.

O livro consta com uma biografia bem especifica de cada personagem em um determinado ponto da história, e para todos os leitores que assim como eu, não sabiam o que mais poderia ter de interessante em um único personagem, vocês podem ter esse livro como indicação de leitura.

Vamos começar citando o primeiro personagem Espártaco, o gladiador que antes era escravo entre o seu povo bárbaro, de origem Trácia, que liderou os escravos da Roma Antiga afim de conquistar a liberdade do povo. Em suas batalhas Espártaco sempre demostrava ter uma estratégia antecipada para poder se sobressair sem muitos danos. Claro que Espártaco não procurava possuir bens, propriedades, e nem governar o império, temos aqui uma especie de "Messias", que está pronto para libertar o seu povo.

Em segundo temos Átila o Huno, que diferentemente de Espártaco, conseguiu entender melhor das estrategias militares, e demonstrou ser um líder nato. O que eu destacaria foi a forma como ele estava fazendo seu jogo. Afinal de quantos aliados ele precisaria? E porque desejar ser o rei dos hunos? Onde mais ele poderia chegar com tanta influencia e poder? Afinal, ele foi um dos maiores inimigos do Império Romano Ocidental e Oriental, e suas posses se estendiam por toda a Europa Central até o mar Negro.

Em terceiro podemos destacar Ricardo, o Coração de Leão, este homem foi capaz de liderar a Terceira Cruzada ao lado de Guy de Lusignan, Filipe Augusto da França, Frederico Barba Ruiva, Guilherme II da Sicília. Este grupo estava sob as ordens do Papa Gregório VIII, que anteriormente soube das desavenças que Guy de Lusignan teve com o Saladino, é válido lembrar que Saladino enfrentou ferozmente o Coração de Leão pela conquista de Chipre e Acre. Ricardo nunca entrou na Terra Santa de fato, pois ele foi preso pelo Duque de Áustria. O que é importante temos em mente é que Ricardo trabalhava a favor da cristandade, e ele estava disposto a pagar um alto preço para ter as terras livres dos muçulmanos.

Em quarto, podemos destacar Hernán Cortez, um tabelião que por sorte digamos assim, conheceu o governador Diogo Velásquez, este por sua vez, tinha planos de conquistar Cuba, e para isso levou Cortez consigo. Depois de sua primeira expedição Cortez como recompensa recebeu propriedades, fortuna, e passado ao algum tempo depois de  sua viajem, ele mesmo decide bancar sua primeira expedição sem  que Velásquez saiba, pois  ele não desejava compartilhar de suas conquistas, e muito menos entrega-las ao governador. Cortez teve uma mente habilidosa, capaz de enfrentar a maior parte de seus inimigos, mas devo lembra-los que o acaso o favoreceu, pois se não fosse para ele encontrar o governador, e se fazer uma pessoa confiável, sem demonstrar interesses e ambições, ele não faria grande esforço para tentar conquistar Cuba ou o México. Uma vida, e uma lição para ser aprendida sobre isso: Nada como o sucesso.

Em quinto podemos destacar, o Xógum mais reconhecido em todo o Japão, Ieyasu. Nascido em uma família de baixa estatura, sem status e sem nenhum poder econômico, ele pode demonstrar como tirar seus inimigos de campo com investidas estratégicas, afinal ele trabalhou bem com seus aliados e tinha o merecido respeito de outros clãs influentes da época. Quando mais jovem ele foi vendido por seus pais afim de trazer benefícios para o nome de sua  família. Ao longo de seu caminho ele conhece o clã Hideyohsi, Matsudara, entre outros, e, em beneficio próprio ele passa a conviver no meio deles(clãs) para entender seus movimentos, estratégias, a servi-los de melhor maneira possível. Porém ele nunca voltou para s mãos de sua família mesmo depois de ascender de maneira social, politica e econômica, logo Ieyasu passa a se concentrar em seus objetivos pessoais, e inicia o seu próprio clã depois de pesquisar e saber bem onde ele deveria estar comprando uma briga, e com quem iria brigar.

Em sexto, mas não menos importante, podemos destacar Napoleão Bonaparte, que ao meu ver teve uma história cheia de reviravoltas e ligados muitas vezes as questões políticas, ele não tinha um gênio fácil de lidar, nascido em Córsega, na França. Sendo o segundo filho de uma família de sete irmãos. Bonaparte tenha suas estratégias, começou a se destacar inicialmente como subintendente da artilharia, aos 16 anos. Por um lado, ele não tinha um gênio fácil de lidar, e entendia bem de seus próprios defeitos construindo assim ao longo de sua vida alguns inimigos. Mas Bonaparte era realmente bom em campo, tendo liderado pequenos grupos para conquistar batalhas além mar. A principal batalha presenciada por ele foi  o Cerco de Toulon, onde ele foi visto por Robespierre, com prestigio e conseguiu ser promovido a comandante de artilharia as forças republicanas. Por seu temperamento curto, e sua mania de grandeza Napoleão se envaidecia muito e tinha muitos problemas com sua baixa estatura, talvez todos esses adjetivos fizessem dele um excelente comandante, porém depois de perder em 1815, na Batalha de Waterloo, Napoleão vai para a ilha de Santa Helena na África, e permanece em exílio. Sua morte ocorreu seis anos depois, por suposto envenenamento de arsenio.

Portanto devo destacar aqui, a incrível forma como cada líder em particular tentou conquistar batalhas e deixar seu legado na história ao longo do tempo. Acredito também que cada um tinha defeitos em maior ou menor grau. Claro, que muitos desses guerreiros e lideres ainda são venerados por onde passaram, todavia tudo depende do ponto de vista de cada situação, pois cada decisão e ação tomadas requeriam agilidade sem hesitação.

Informações Técnicas do livro

Heróis e Vilões
Por Dentro da Mente dos Maiores Guerreiros da História
Frank Mclynn
Ano: 2008
Páginas: 406
Editora: Larousse
Sinopse (Skoob):
Na história da guerra, um grupo de elite de homens atingiu status quase lendário, por meio de sua coragem, ambição e gênio militar incomparável. Mas esses mesmos homens possuíam profundas falhas de caráter pessoal. Em Heróis & Vilões, o aclamado historiador Frank McLynn focaliza seis dos mais magnéticos e poderosos líderes de todos os tempos: Espártaco; Átila, o Huno; Ricardo Coração de Leão; Cortez; Tokugawa Ieyasu e Napoleão. Como eles alcançaram posições de poder mostrando-se tão invencíveis? Seis homens preparados para morrer por seus ideais Seis homens que mudaram o curso da história.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Palavra do Leitor:

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!