Resenha :: Melodia Mortal

Postado por | 10:59 AM 5Comentários



Pedro Bandeira é um escritor que minha irmã, Jordana , admira e sempre me indicou a leitura de suas obras, mas por a maioria delas ser voltada ao público infanto-juvenil acabei sempre postergando... 

Entretanto, para minha surpresa e felicidade, esse ano Pedro Bandeira na companhia de seu amigo Guido Carlos Levi, faz sua estreia na ficção adulta e escolheu uma famosa dupla inglesa como protagonista.
“Tornei-me conhecido em todo o mundo escrevendo histórias dos outros. Na realidade, de um outro, o meu amigo Sherlock Holmes.  Como testemunha, sempre estive presente em suas aventuras, mas é provável que minha figura não tenha sido marcante para os leitores, ofuscado que sempre fui pela imagem do meu biografado. No entanto, se alguém encontrar estes manuscritos, talvez não se importe de conhecer um pouco da vida de quem popularizou o morador que fez famosa a então desconhecida Baker Street, 221B.”

Em “Melodia Mortal” acompanhamos a famosa dupla inglesa, o detetive Sherlock Holmes e seu amigo o Doutor John H. Watson, na solução de crimes que consequentemente os instigam na elaboração de teorias e hipóteses para elucidar as mortes dos grandes gênios da música, como, por exemplo, Chopin, Mozard e Tchaikovsky.

Em seguida, nos tempos atuais, a “Confraria dos Médicos Sherlockianos” se reune para discutir sobre os manuscritos de Watson, que foram encontrados no porão da Universidade de Londres cem anos depois,  a respeito das mortes dos gênios da música a luz dos modernos desenvolvimentos da ciência, e assim, corroborar (ou não) com as hipóteses de nosso amado Holmes. Esse time de doze especialistas das mais diversas áreas da medicina se reune a cada vez em um restaurante diferente, com um menu de dar água na boca e que rende uma ótima discussão, um complementando o ponto de vista do outro.
“- Meu processo ao investigar um caso, parte da suposição de que, quando eliminamos tudo que é impossível, aquilo que permanece, ainda que improvável, deve ser a verdade.”

Sherlock Holmes é um dos detetives mais famosos da literatura policial, ao lado de Hercule Poirot, Miss Marple, Comissário Júlio Magron, August Dupin e tantos outros. Este livro, escrito a quatro mãos por Pedro Bandeira e Guido Levi, preserva toda a sagacidade, inteligência e brilhantismo de Holmes assim como o metodismo, o caráter e a dedicação de Watson, o que é sublime!

Sou grande fã de Sherlock Holmes e ao saber do lançamento deste livro, fiquei em estado de extâse e assim que a primeira oportunidade surgiu, não pensei duas vezes, o adquiri e D-E-V-O-R-E-I! 

O livro tem uma narrativa leve e fluida no maior estilo de Arthur Conan Doyle (criador de Sherlock Holmes), além disso conta com algumas notas dos autores durante a narrativa e um pequeno glossário ao final, diversas referências a literatura (incluindo uma a Oscar Wilde) e à música, e ao final de cada capítulo um breve resumo da vida e obra de cada gênio da música abordado (além de algumas sugestões de músicas a serem ouvidas, o que foi uma ideia sensacional). A edição é linda, em brochura, com orelhas, folhas amareladas e uma bela diagramação!

Se você não conhece Sherlock e Watson, ou se já conhece e quer matar a saudade, recomendo (e muito) este livro!

Nota ::  

Que tal ler um conto desse autor? Clique para ler Os Cachos da Situação

Informações Técnicas do livro

Melodia Mortal
Sherlock Holmes investiga as mortes de gênios da música
Ano: 2017
Páginas: 240
Editora: Fábrica 231
Sinopse (Skoob):
Será que Mozart foi assassinado por Salieri? Tchaikovsky morreu de cólera ou envenenamento? Chopin morreu mesmo tuberculoso? E Beethoven, foi vítima do alcoolismo? A resposta, ou, pelo menos, algumas hipóteses plausíveis para essas perguntas estão em Melodia mortal, estreia na ficção adulta de um dos maiores autores para o público juvenil do país. Escrito a quatro mãos por Pedro Bandeira com o médico Guido Carlos Levi, o livro examina, à luz dos conhecimentos da medicina contemporânea, os indícios possíveis sobre as mortes polêmicas de alguns grandes compositores da música clássica. E quem conduz a investigação é ninguém menos que Sherlock Holmes, auxiliado pelo seu fiel escudeiro, o doutor John H. Watson, que narra as aventuras do detetive na empreitada. Talvez não seja possível, tanto tempo depois, elucidar a causa dessas mortes que a medicina da época não foi capaz de precisar, mas a diversão é garantida neste romance cheio de teorias científicas e enigmas que formam um intricado quebra-cabeça, na tradição da melhor literatura policial.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

5 comentários:

  1. Oie,
    Fiquei muito curioso sobre essa obra. Adoro Sherlock Holmes e o leal Watson. Adicionei na minha lista de desejados.
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos
    www.garotosperdidos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei André, espero que goste muito do livro, Holmes e Watson são personagens incríveis. Quando ler me conte o que achou, combinado?
      Um abraço!

      Excluir
  2. Oi Jessica!

    Adorei a resenha e a sinopse do livro, talvez eu o leria pela sua resenha, mas não é um gênero e nem um personagem que eu goste muito.

    Parabéns pela resenha!

    Grande abraço,
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Victor, obrigada pelo comentário, deixou meu dia mais feliz!
      Nem todo mundo curte esse tipo de leitura mesmo, eu entendo, mas se algum dia quiser sair da sua zona de conforto, fica a indicação.

      Um abraço!

      Excluir
  3. Arrasou na resenha! Amo Sherlock e o Dr. Watson, mal vejo a hora de devorar essa obra. Muito obrigada! <3

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!