Resenha :: Tequila Vermelha (Tres Navarre #01)

Postado por | 11:29 AM 3Comentários


Quando um amigo me ofereceu este livro em uma troca, não pensei duas vezes! Gosto muito de Rick Riordan e já li vários livros do autor, sabia que este trabalho dele nada tinha a ver com o estilo fantasioso e mitológico de outras obras suas, então fiquei muito curiosa em descobrir como seria seu desempenho em outra empreitada.

O livro “Tequila Vermelha”, na verdade, foi o primeiro publicado pelo autor, em 1997, e atualmente a série conta com seis livros das histórias de Jackson Tres Navarre. Porém, no Brasil só foram publicados os dois primeiros volumes até o momento.

Tres é um detetive particular – sem licença – e mestre de Tai Chi, ele retorna a sua cidade natal (San Antonio, Texas) após trocar algumas cartas com sua ex-namorada, Lilian Cambridge. Dez anos atrás, Tres havia abandonada a cidade após presenciar o assassinato de seu pai (que na época era o xerife da cidade e estava prestes a se aposentar). Qual seria a utilidade de matar um policial prestes a se aposentar?
                
Voltar a sua cidade natal após tanto tempo foi como mexer em um vespeiro. Ninguém ficou feliz com o retorno de Tres, uma vez que ele decidiu desenterrar alguns fantasmas do passado e suas consequências podem ser preocupantes. Quando Lilian desaparece, Tres se vê envolvido no meio de dois mistérios.
"Eu voltara para casa havia apenas dois dias e já conseguira bagunçar meu frágil relacionamento com Lillian, irritara minha mãe, traumatizara meu gato e fizera pelo menos três novos inimigos." (p. 46)

Temos neste livro um protagonista teimoso, que não hesita em se meter onde não é chamado, que busca por justiça e, por uma boa dose de tequila. Tres é uma figura, e tem várias tiradas sarcásticas durante o livro. Robert Johnson, o gato do protagonista, é exigente, temperamental e apaixonado por comida mexicana, que garante boas risadas à história.
“Robert Johnson brincava de kamikaze, derrubava as roupas de cima do armário da cozinha sempre que eu fazia uma pilha. Fora isso, não ajudava muito como consultor de moda” (p. 287)

O livro conta com bons personagens, uma boa ambientação e descrição dos cenários, a escrita de Riordan é leve e divertida. Somado a isso, temos expressões em espanhol, invasões domiciliares, receitas de drinks entre um soco e outro, e alguns costumes típicos do Texas.
“Por fim, meu pai se aproximou de mim e disse algo como: ‘Todo homem precisa ter um buraco secreto, filho. Se um homem diz que se livrou de todas as garrafas de uísque, para sempre, é bom que tenha um esconderijo em algum ligar. Caso contrário, é um completo idiota. ’” (p.312)

Gosto do gênero do livro, a história é interessante, entretanto, achei o desenvolvimento lento, e por vezes tão cansativo e cheio de rodeios, que me peguei pensando em abandonar a leitura diversas vezes... Não entendi o motivo para Rick Riordan ter feito desta maneira. Um ponto positivo é que a história de “Tequila Vermelha” tem início, meio e fim, ou seja, você não terá que ler vários livros para saber a solução dos mistérios apresentados neste livro. Não sei se irei ler o restante da série, talvez dê uma nova chance a Tres Navarre no futuro (na esperança de ler mais cenas com Robert Johnson, o gato, que se tornou meu personagem favorito de toda a trama).

Por fim, mas não menos importante: a edição do livro. Gostei da capa, achei que ela captou bem a essência da obra, o texto é apresentado em capítulos curtos e sempre com uma bota estilizada em seu início, páginas amareladas e bom espaçamento contribuem para um conforto a mais na hora de ler.


Nota :: 

Informações Técnicas do livro

Tequila Vermelha
Tres Navarre #01
Ano: 2011
Páginas: 432
Editora: Record
Sinopse (Editora):
Aclamado pelo estrondoso sucesso da série de fantasia juvenil Percy Jackson e os Olimpianos — com mais de 900 mil livros vendidos só no Brasil e cujo primeiro livro, O ladrão de raios, ganhou uma adaptação bem sucedida para o cinema em 2010 —, o escritor Rick Riordan se volta para o universo adulto em um romance de mistério.
Primeiro volume de uma série vencedora de diversos prêmios literários, Tequila vermelha apresenta aos leitores o talentoso e complexo herói Jackson “Tres” Navarre, um ávido bebedor de tequila, mestre de Tai Chi e detetive particular sem licença com uma queda por problemas do tamanho do Texas.
Terceira geração de uma família texana — por isso o Tres de seu nome —, nosso protagonista retorna a San Antonio, sua cidade natal, dez anos após o assassinato do pai. Na companhia de seu gato Robert Johnson, que adora enchilada, Tres procura respostas, mas o que encontra é uma quantidade enorme de problemas. Quanto mais ele se afunda na busca por razões que o afastem de suas suspeitas, mais o crime do passado volta ao presente: envolvimento com a máfia, subornos em empreiteiras e astutos jogos políticos.
Fica cada vez mais óbvio que Tres mexeu num vespeiro! Ele é baleado, atacado, depois atropelado por um Thunderbird azul... e, ainda por cima, a antiga (e ainda desejada) namorada está desaparecida. Tres precisa resgatar a moça, entregar os assassinos do pai à justiça e dar o fora antes que a máfia texana o alcance. As chances de continuar vivo nunca pareceram tão distantes...

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

3 comentários:

  1. Gostei muito da resenha,tenho vontade de ler esse livro por causa do Rick Riordan. Já li todos os livros dele que envolve mitologia, mas ainda não tive coragem de me aventurar pelos outros. Talvez agora eu leia principalmente para conhecer Robert Johnson 😂😂

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda não li todos de mitologia do Rick Riordan, faltam os Kane ainda! São bons?
      Ainda não sei se vou acompanhar a série de Tres Navarre, talvez no futuro por conta do Robert Johnson (eu amei esse gato kkk)

      Muito obrigada pelo comentário! ;*

      Excluir
    2. Os Kane são dois irmãos protagonista (confesso que não gostei muito dá garota) mas a história em si é boa, não tanto como Percy Jackson, mas é legal.

      Excluir

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!